As 10 coisas que você precisa saber sobre o tradicional Caruru

Salvar nos favoritos

Aceito convites para caruru!

Saúde, prosperidade e fartura. O Caruru é símbolo de alegria e renovação

Caruru. Salvador Bahia. Foto: Amanda Oliveira.

A comida tem um poder transformador. Reunir pessoas à mesa simboliza congregação e criação de elos. Na Bahia, o mês de setembro é especialmente marcado por este sentimento, de compartilhar e celebrar. É o mês do Caruru, uma receita que é um misto de comida e carinho, cultura e história. A culinária baiana é puro sincretismo cultural-gastronômico indígena, africano e português. O caruru faz parte dela, alimento repleto de significados e ancestralidade.

O caruru é oferecido nas comemorações do dia de São Cosme e Damião, no dia 27 de setembro, permeia todas as classes socioeconômicas e não tem limites religiosos. Reunimos curiosidades que vão contar um pouco dessa história. Prepare-se para, depois de ler, escrever na sua timeline: “aceito convites para caruru”, e comece a receber os chamados dos amigos. Além de deliciosa, sua refeição a partir de agora vai ser tornar uma imersão gastronômica.

1 – Comida de Santo

Segundo o livro “Cozinhando Histórias – Receitas, Histórias e Mitos de Pratos Afro-brasileiros”*, muitos dos pratos afro-baianos servidos hoje – principalmente em ocasiões festivas – e restaurantes, tiveram origem em fundamentos religiosos ligados ao candomblé.

São Cosme e Damião são santos católicos sincretizados com os gêmeos Ibejis do candomblé, aos quais se oferece caruru. Assim nasceu a tradição de todo mês de setembro se oferecer o “caruru completo”, um banquete no qual, além do caruru, são servidos vários outros pratos, incluindo: acarajé, abará, xinxim de frango, mulukun, vatapá, feijão de leite, arroz de ahauçá, milho branco, oguedê, farofa de azeite, pipoca e cana-de-açúcar em pedaços.

2 – O Mito do Caruru

No mesmo livro, a pesquisadora e fotógrafa Josmara B. Fregoneze, a especialista em culinária afro-brasileira, Marlene Jesus da Costa e a griô Nancy Sousa, mais conhecida como Dona Cici, contam sobre o Mito do Caruru. Resumidamente: toda vez que Xangô ia comer o seu amalá (comida parecida com o caruru, mas que leva carne e pimenta), Exu Ijélú vinha e roubava a comida dele. Xangô ficava tão bravo que fazia a terra tremer, lançando raios para todos os lados. Eis que os gêmeos filhos de Xangô, os Ibejis, se ofereceram para resolver o problema.

Um deles propôs um desafio para Exu: uma disputa de dança na qual, se Exu parasse de dançar antes dele, nunca mais comeria a comida de seu pai Xangô. Exu, rei das danças, nem pensou duas vezes e aceitou. Exu não sabia que eles eram gêmeos e quando a dança começou, sempre que um dos gêmeos começava a cansar, o outro o substituía imediatamente, sem que Exu notasse. Os irmãos se revezavam tocando o Batá (instrumento percussivo africano).

Isso durou por muito tempo até que Exu caiu exausto e perdeu o desafio e nunca mais comeu o amalá de Xangô. Como recompensa, os Ibejis pediram que sempre que tivesse amalá, fizessem uma parte sem pimenta e sem carne para eles.

3 – Cada alimento é para um Santo

Feira de São Joaquim. Calçada. Salvador Bahia. Foto: Amanda Oliveira.

Por este motivo, para quem tem fé, o caruru é uma oferenda chamado de “caruru de promessa” ou “caruru dos sete meninos”. Em memória do evento onde os Ibejis enganaram Exu, todos os anos, os Ibejis são homenageados com o caruru. O livro conta que todos os orixás participam desta festa e a comida de cada um também é servida.

O quiabo é de Xangô; o feijão preto e a pipoca de Omolú; a banana da terra frita de Oxumaré; o acarajé é de Iansã; o abará e mulukun de Oxum e o inhame cozido de Oxalá.

Neste caso, primeiro é servido para os santos, depois para os sete meninos, que comem juntos, com as mãos, e depois é servido para todos. Eles representam os Ibejis, Taiwo, Kehinde, Idhoú, Alabá, Talabí, Adoká e Adosú. Também conhecidos como Cosme, Damião, Doú, Alabá, Crispim, Crispiniano e Talabi.

4 – Mas o que é Ibejis

Ibeji é a palavra Iorubá que quer dizer gêmeos – “Ibi” significa nascido e “eji”, dois. Dá-se o nome de Taiwo ao primeiro gêmeo e de Kehinde ao outro.

Ibeji são crianças que gostam de brincadeiras e doces, que trazem harmonia e felicidade ao ambiente em que se encontram. São filhos de divindades, Xangô e Iansã, sendo também cultuados como divindades. São sincretizados com São Cosme e Damião.

5 – Não se confunda nas datas: dia de Cosme e Damião é 26 de setembro

Na Igreja Católica Apostólica Romana, a celebração de São Cosme e Damião é 26 de setembro. Já o dia em que acontecem a maioria das festas de caruru é 27 de setembro. Acredita-se que o sincretismo deve-se, apenas, por ambas as religiões celebrarem irmãos gêmeos.

Na religião católica, Cosme e Damião eram médicos e viveram na Ásia Menor. Sua santidade é atribuída pelo motivo de haverem exercido a medicina sem cobrar por isso, devotados à fé e feito milagres propiciados por suas orações. Morreram por volta do ano 300 d.C., vítimas de uma perseguição do imperador romano Deocleciano. São os padroeiros dos farmacêuticos, médicos e das faculdades de medicina.

6 – Comida afetiva

Definitivamente, dar um caruru é dar afeto. Esta comida calorosa tem o intuito de partilhar, sendo um pedido de saúde, prosperidade e fartura. Dar caruru para muitos é atrair alegria e renovação.
Por este motivo, além de setembro, os baianos em especial têm a tradição de comemorar batizados e aniversários dando um caruru aos presentes. O desejo é que a alegria de criança sempre exista em você, e que esta felicidade permaneça em você o resto do ano.

7 – Dia de Iansã e Santa Bárbara, também tem Caruru

Dia de Santa Bárbara. Pelourinho, Salvador, Bahia. Foto: Amanda Oliveira.

Todos os anos, no dia 4 de dezembro, em Salvador, é celebrada a Festa de Santa Bárbara e de Iansã. As ruas do Pelourinho são tomadas pela cor vermelha, usada na vestimenta dos devotos e também nas pétalas de flores que cobrem o chão por onde passa o cortejo. Quando a imagem da santa passa em frente à sede dos Filhos de Gandhy, são ofertados acarajés, a comida de Iansã.

Tudo começa bem cedo com uma missa campal no Largo do Pelourinho, de onde a imagem sai da Igreja de Nossa Senhora Rosário dos Pretos em procissão até o quartel do Corpo de Bombeiros da Barroquinha. E nessa festa não pode faltar caruru. Entre os mais tradicionais, estão o do Mercado Santa Bárbara e o do Mercado de São Miguel, com os Filhos de Omolú.

8 – Tradição é tradição

Existem algumas tradições interessantes:

1- A receita é feita com quiabos bem cortadinhos. Diz a tradição que, quem encontra no prato um quiabo inteiro, deve oferecer um caruru no próximo ano.

2- O caruru tradicional é servido em nagés de barro, uma vasilha em cerâmica normalmente usada para comidas oferecidas aos orixás. Depois de comer, o nagé usado não pode servir outra pessoa.

3- Quem oferece o caruru deve cortar o primeiro quiabo e, depois de pronto, colocar a comida aos pés dos santos em vasilhas novas e fazer um pedido.

4- A galinha do xinxim não pode ser comprada morta. A pessoa que cozinha é quem deve cortar o bicho.

9 – Restaurantes que servem caruru

Para quem já lançou nas redes a frase “aceito convites para caruru” mas ainda não conseguiu comer o caruru na casa de ninguém, sugerimos três lugares bem legais para comer o prato queridinho de setembro.
No restaurante Casa de Tereza, no Rio Vermelho, tem uma opção que se chama: Banquete dos Ibejis. Nele vem: acarajé e abará, vatapá, vinagrete, xinxim, feijão-fradinho, caruru, arroz, farofa de dendê e banana frita. De sobremesa ainda tem o sorvete de tapioca com calda de rapadura. Tudo uma delícia.

Endereço: Restaurante Casa de Tereza. R. Odilon Santos, 45 – Rio Vermelho, Salvador – BA, 41940-350. Telefone: (71) 3329-3016.

No mesmo bairro, o restaurante Dona Mariquita prepara um prato com doze itens, o Caruru de Cosme e Damião, que é servido durante todo o mês de setembro. Leva caruru, vatapá, xinxim de galinha, feijão preto, feijão fradinho, farofa, pipoca, rapadura, banana frita, acarajé, abará e arroz.

Endereço: restaurante Dona Mariquita. R. do Meio, 178 – Rio Vermelho, Salvador – BA, 41490-426. Consulte os dias pelo telefone: (71) 3334-6947.

Se você procura uma experiência imersiva, nossa dica é ir a um dos mais clássicos carurus da cidade, no Mercado das Sete Portas, no bairro de Nazaré, em Salvador. Este caruru é oferecido lá há mais de 20 anos, é gratuito e chega a servir por volta de 700 pessoas. A barraca Chapéu de Couro – que vende artefatos, folhas e imagens dos ritos sagrados, começa a servir a partir do meio-dia. Aproveite para conversar com o André Nery, o comerciante e babalorixá que tem muitas histórias para contar.

Endereço: barraca Chapéu de Couro. Feira das Sete Portas, boxe 82, Nazaré. Dia 27/09, a partir das 12h. Importante: o mercado está em obras de requalificação, portanto pode estar mais complicado transitar pelo local.

10 – Onde comprar os ingredientes

Feira de São Joaquim. Calçada. Salvador Bahia. Foto: Amanda Oliveira.

Dois locais bem legais para comprar os ingredientes, ou para aprender mais sobre a cultura gastronômica baiana, são as feiras livres: São Joaquim e Mercado de Itapuã.

A Feira de São Joaquim é a maior feira livre da cidade de Salvador. Além de alimentos, é o principal distribuidor dos artesanatos de barro, potes produzidos no recôncavo baiano e local de venda de produtos para rituais de candomblé, como os nagés de barro citados anteriormente. Essa feira também é a queridinha dos fotógrafos ávidos por imagens do dia a dia de uma Bahia original, cheia de personagens e de trabalhadores que representam a maioria do povo desta terra. Ingredientes como pimenta, camarão desidratados e objetos como guias de contas, cestos e tecidos africanos fazem do colorido deste lugar um símbolo de uma Salvador real.

Endereço: Feira de São Joaquim. Av. Eng. Oscar Pontes – Calçada, Salvador – BA, 40301-155.

Além de contar com estrutura para vender produtos de feira como frutas, verduras e carne, o Mercado Municipal de Itapuã também conta com restaurantes e espaço para expor o artesanato local. Possui três pavimentos, com um total de 54 boxes, que abrigam desde modernos restaurantes com vista para o mar até sapateiros, bares, artesãos, mercearias, vendedores de hortifrutigranjeiros, peixarias e produtos da fazenda. Aproveite o passeio e conheça outros pontos interessantes no bairro. Veja tudo neste link

Uma tarde em Itapuã

Endereço: Mercado de Itapuã. R. Genebaldo Figueredo, Rua Genebaldo Figueredo – Itapuã, Salvador – BA, 41510-080.

Nota:
Livro: * “Cozinhando Histórias – Receitas, Histórias e Mitos de Pratos Afro-brasileiros” com fotos de Pierre Verger. Foi escrito por Josmara B. Fregoneze, Marlene Jesus da Costa e Nancy Sousa, mais conhecida como Dona Cici.

Por Fernanda Slama
Coordenadora de Conteúdo do portal Salvadordabahia.com



Experiências em Salvador

Agenda

26
nov
27
nov
28
nov
30
nov
01
dez
02
dez
03
dez
Ver mais em Agenda