Afoxé Filhos de Gandhy

Salvar nos favoritos

70 anos de grandes histórias, música e significados

Afoxé Filhos de Gandhy. Campo Grande. Salvador Bahia. Carnaval de 2017. Foto: Fábio Marconi.

No começo de tudo, o bloco carnavalesco se chamava “Comendo Coentro”, fundado por estivadores portuários da cidade de Salvador. Preocupados com a falta de trabalho nos portos e a política de arrocho salarial, gerada pela crise do pós-guerra, Durval Marques da Silva, conhecido como “Vavá Madeira”, sugeriu a ideia de colocar um bloco na rua. Foi em 18 de fevereiro de 1949 que Vavá, junto com colegas da estiva como Hermes Agostinho dos Santos, o Soldado, Manoel José dos Santos, Guarda-Sol, Almir Passos Fialho, o Mica, e muitos outros, fundaram o bloco Filhos de Gandhy, desfilando pela primeira vez, como cordão (agremiação recreativa).

Afoxé Filhos de Gandhy. Campo Grande. Salvador Bahia. Carnaval de 2017. Foto: Fábio Marconi.

A partir de 1951, o bloco passou a admitir trabalhadores de outras classes. Hoje, tornou-se o maior e dito o mais belo Afoxé do Carnaval de Salvador, na Bahia, recebendo pessoas de todo Brasil e do mundo. Constituído exclusivamente por homens, tem entre seus filhos Gilberto Gil, Gerônimo, Xanddy Harmonia, Carlinhos Brown e Tonho Matéria.

O Afoxé Filhos de Gandhy, nos primeiros anos, saiu cantando marchinhas até se dedicar especialmente ao ijexá, (inclusive compondo suas próprias canções). O afoxé se caracteriza como um dos muitos desdobramentos culturais das comunidades-terreiros da religião tradicional africana no Brasil.

Significados

Afoxé Filhos de Gandhy. Campo Grande. Salvador Bahia. Carnaval de 2017. Foto: Fábio Marconi.

O nome Filhos de Gandhy é inspirado na importância dos princípios de não violência e paz do ativista hindu, Mahatma Gandhi. A fantasia simboliza as vestes indianas, sendo composta por um lençol branco de 2,20m X 2,00m, com uma pintura na parte frontal com o tema do Carnaval. O turbante é feito na cabeça do associado por um(a) artesão(ã), usando uma toalha, e para finalizar é aplicado o broche com uma pedra azul. Para complementar a fantasia, seguem um par de sandálias, meias e faixa. Os colares, nas cores azul e branco, são uma reverência aos orixás Oxalá e Ogum. Durante o carnaval, a confecção desta indumentária envolve uma grande cadeia de artesãs e artesãos, movimentando a economia local.

No desfile, são utilizadas algumas alegorias que relembram o sentimento de Mahatma Gandhi: o elefante, símbolo da força que teve para não curvar-se diante do poder inglês; o camelo, símbolo da resistência que o manteve fiel aos ideais de liberdade mesmo quando preso; a cabra, símbolo da vida, porque através do leite pode recuperar as forças e continuar a defender a liberdade do povo indiano.

Religião

Afoxé Filhos de Gandhy. Campo Grande. Salvador Bahia. Carnaval de 2017. Foto: Fábio Marconi.

Por ter como principal objetivo a difusão da PAZ durante os festejos do Momo, existem obrigações fundamentais que são executadas sigilosamente pela entidade antes do Carnaval, não permitindo jamais que sejam expostas ao público, uma vez que a religião do candomblé merece respeito e consideração.

As obrigações praticadas (padê) hoje pelos seus componentes foram as mesmas que os seus idealizadores praticaram nos primeiros anos de sua fundação. O padê marca o início do carnaval, antes dos desfiles do domingo e da terça-feira. A maioria dos fundadores era praticante da religião nos vários terreiros de candomblé da Bahia, mas o Bloco é aberto às pessoas de qualquer religião.

O Gandhy, nas ruas de Salvador, cultua uma das nações que é a Ijexá, impregnando a avenida com o ritmo peculiar e cadenciado dessa nação, ofertando ao público maçãs, peras, uvas, alimentos que representam a limpeza do corpo, da aura, perfumando as ruas com sua alfazema, transformando a avenida em um imenso tapete branco simbolizando a bandeira da PAZ.

70 anos & para além do Carnaval

Afoxé Filhos de Gandhy. Campo Grande. Salvador Bahia. Carnaval de 2017. Foto: Fábio Marconi.

Estão previstas ações para a celebração dos 70 anos do bloco como um filme documental, uma grande festa no Largo do Pelourinho com shows de artistas locais e um Festival de Música, com intuito de renovar o repertório do bloco e abrir esse espaço para o grande público. Além disso, Gilsoney de Oliveira, atual Presidente dos Filhos de Gandhy, já prometeu uma surpresa para o desfile na avenida:

“Em 2018 nós trouxemos o pessoal de Parintins. Fizemos uma pomba que surpreendeu associados e inclusive a própria diretoria, que ficou sabendo apenas na hora do desfile”, conta.

Além do carnaval, os Filhos de Gandhy têm um calendário religioso participando de festas como a Lavagem do Bonfim, Festa de Iemanjá, São Nicodemos, Santa Luzia, Festa de Xangô, a Caminhada de Oxum, de São Lázaro e Omolu, de Santa Bárbara e Iansã, São Cosme e Damião. A Associação Cultural, Recreativa e Carnavalesca Filhos de Gandhy também atua como agente social com dois projetos: o convênio com o Emoba “Doe sangue pela vida” – os associados participam do “Novembro Azul” com a doação de sangue e plaquetas; e o trabalho social “Sopa Solidária” – a sopa é toda preparada na sede e distribuída gratuitamente, toda terça-feira a partir das 18h.

Serviço

Afoxé Filhos de Gandhy
Desfila: domingo e terça, no Circuito Batatinha (no contra fluxo, saindo da Praça Municipal, em frente ao Elevador Lacerda, sobe a Avenida Carlos Gomes, dá a volta no Campo Grande e desce a Avenida Sete de Setembro. Segunda, no Circuito Barra Ondina.
Horário: concentração na sede, no Pelourinho, às 15h. O Padê é às 15h30. A saída do trio em ambos os circuitos é às 16h.
Duração: de 8 a 12 horas.
Valor anual: R$600,00 (no boleto ou no cartão em 12x).
O valor dá direito a 3 dias de desfiles durante o carnaval e toda a indumentária.
Vendas: na sede – Associação Cultural, Recreativa e Carnavalesca Filhos de Gandhy, Pelourinho e na Central do Carnaval.

Preparamos uma lista com músicas perfeitas para esta experiência. Ouça agora!

Afoxé Filhos de Gandhy. Campo Grande. Salvador Bahia. Carnaval de 2017. Foto: Fábio Marconi.

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
15
Seu bolso
Localização
R. Maciel de Baixo, 53 - Pelourinho, Salvador - BA, 40026-240

Outras experiências

Agenda

30
Maio
01
jun
02
jun
03
jun
04
jun
05
jun
06
jun
Ver mais em Agenda