10 livros históricos sobre Salvador que você pode ler de graça

Salvar nos favoritos

Obras literárias que ajudam você a conhecer a capital baiana sem sair de casa

Jorge Gauthier

Além de trazerem conhecimentos e informações, os livros nos transportam para outros lugares e universos. Através deles, inclusive, a primeira capital do Brasil, fundada em 29 de março de 1549, ficou conhecida em todo o mundo.

Pensando nisso, separamos 10 livros históricos que se aprofundam sobre a história de Salvador para você ler de graça nessa quarentena. Quando isso tudo passar, você poderá vir conhecer Salvador – ou revisitar nossa cidade – ainda mais rico de informações e curiosidades sobre a terra do dendê, conhecida internacionalmente por suas belezas naturais, pelos sabores e sons, e pelo sincretismo religioso da população calorosa. Também não faltam, desde sua existência, histórias de superação e resistência. Boa leitura!

1 ● O Centro da Cidade Salvador, de Milton Santos (1958)

A obra “O Centro da Cidade do Salvador”, escrita por Milton Santos, um clássico da Geografia, foi apresentada à Universidade de Strasbourg, em 1958, como tese de doutorado do professor. Nela, Santos mostra a Geografia como uma ciência que, além de espacial, também é temporal.

O livro traz uma rica associação entre as histórias de Salvador e os eventos da década de 1950, além de explicar as múltiplas funções numa cidade em processo acelerado de transformação. O autor analisa a paisagem da capital baiana a partir da interação entre o sítio da cidade, o ambiente construído e as dinâmicas sociais, e revela as desigualdades na apropriação do espaço soteropolitano pelas diferentes classes sociais.

O livro tornou-se um marco do início da renovação dos estudos geográficos, que passaram a incorporar as relações sociais como componentes indissociáveis do meio físico. Milton Santos também expande sua análise ao Recôncavo Baiano e ao estado da Bahia, bem como busca as escalas nacional e mundial, descrevendo os fenômenos da urbanização e metropolização.

Link para ler.

2 ● Bahia de Todos os Santos – Guia das Ruas e dos Mistérios da Cidade do Salvador, de Jorge Amado (1945)

“A Bahia te espera para sua festa mais quotidiana. Teus olhos se encharcarão de pitoresco, mas se entristecerão também ante a miséria que sobra nestas ruas coloniais onde começam a subir, magros e feios, os arranha-céus modernos.”

O trecho acima, do livro “Bahia de Todos os Santos – Guia das Ruas e dos Mistérios da Cidade do Salvador”, convida o leitor a conhecer a capital baiana, compreender belezas e contrastes da cidade e se apaixonar pela ”cidade da Bahia”.

Na publicação, Jorge Amado, um dos responsáveis por projetar belezas e mistérios do povo baiano para o mundo, mostra ao leitor um pouco das ruas, costumes, segredos, personalidades, gastronomia, religião, festas, praias, entre outros aspectos e locais pertencentes à cidade e ao povo. Com requinte e simplicidade do autor, “Bahia de Todos os Santos” é um roteiro da cidade da Bahia, Salvador.

O guia foi atualizado diversas vezes, por conta do crescimento da cidade, mas não perdeu sua essência. Apesar de mudanças, o escritor retrata no livro o espírito do baiano que ainda é possível perceber nos dias atuais. Em “Bahia de Todos os Santos”, Jorge ainda destaca a música do amigo, também baiano, Dorival Caymmi: “Você já foi à Bahia, nêga? Não! Então vá…”.

Link para ler.

3 ● Os Nomes das Ruas Contam Histórias, de Luiz Eduardo Dórea (1999)

Os nomes de ruas, avenidas, becos e ladeiras são tão importantes e carregam tantos significados que podem resgatar parte importante da memória de Salvador. Essa é a premissa do livro “Os Nomes das Ruas Contam Histórias”, escrito pelo jornalista e pesquisador Luiz Eduardo Dórea.

A obra, publicada em 1999, conta a história de Salvador através de seus logradouros. O autor mostra o significado e a origem de diversas ruas da cidade, revelando ao leitor o encanto e beleza que delineiam a trajetória da primeira capital do país.

Afinal, quem nunca se perguntou porque a Avenida Luís Viana Filho é chamada de Paralela? E porque uma pequena rua próxima ao Largo Dois de Julho se chama Rua do Cabeça? Essas e outras questões são respondidas no livro.

Link para ler.

4 ● O samba na roda: samba e cultura popular em Salvador 1937-1954, de Alessandra Carvalho da Cruz (2006)

Alessandra Carvalho da Cruz reflete, na sua dissertação de mestrado, sobre a importância do samba na elaboração dos principais projetos de identidade nacional que estavam sendo produzidos no contexto das décadas 1930 e 1950 em Salvador.

Isso tudo é mostrado através das páginas da revista Cultura Política, no plano nacional, e no contexto específico da cidade, nas críticas contra “sambas e outras monstruosidades”, de Pinto de Carvalho e Pedro Calmon, e na produção etnográfica de Édison Carneiro.

A partir daí, ela descreve também a importância histórica da cultura popular autônoma, que estava expressada nas rodas e nas canções de figuras como Batatinha e Riachão.

Link para ler.

5 ● Um Grito de Liberdade – O processo de democratização do Esporte Clube Bahia, de Fernanda Varela (2015)

O livro “Um Grito de Liberdade – O processo de democratização do Esporte Clube Bahia”, escrito pela jornalista Fernanda Varela, narra a história do processo de democratização do time de futebol tricolor do ponto de vista de quem a viveu.

A obra conta com entrevistas e depoimentos de personagens fundamentais para entender o momento pelo qual o clube passou, como Carlos Rátis, Jorge Maia, Sidônio Palmeira, Fernando Schmid, o ex-presidente Marcelo Guimarães Filho e outros. Atletas que estavam no Bahia na época da intervenção, como o zagueiro Titi e o volante Fahel, também foram ouvidos.

O ponto de partida do livro é o dia em que o torcedor Jorge Maia entrou na Justiça contra o Bahia, solicitando a intervenção, até o dia em que Fernando Schmidt foi eleito presidente do Bahia, em 2013.

Link para ler.

6 ● O Largo da Palma, de Adonias Filho (1981)

A obra “O Largo da Palma” é composta por seis novelas do escritor baiano Adonias Filho: A moça dos pãezinhos de queijo; O largo de branco; Um avô muito velho; Um corpo sem nome; Os enforcados; e A pedra. Situando suas tramas nos arredores do largo que dá nome ao livro, Adonias mistura o sagrado e o profano, o urbano e o rural, o erudito e o popular, trazendo também locais não-fictícios, como a Igreja da Palma, o Mercado Modelo, o Jardim de Nazaré e outras referências espaciais.

No livro, o escritor dá o foco à classe média-baixa – personagens que, apesar de fictícios, podem ser hoje encontrados no local, incluindo os idosos, mendigos e imigrantes.
Desta forma, mesmo trazendo contos, “O Largo da Palma”, presente no calmo bairro da Mouraria, é retratado quase de forma fidedigna na obra. O escritor também faz uma humanização do local, como por exemplo a igreja que era “humilde e enrugadinha” e que testemunhava tudo o que ali acontecia; ou então as “ruas pequenas e estreitas tentam se ocultar como envergonhadas”.

Link para ler.

7 ● A cidade de Salvador, dos idos de 1959: os olhares de Jorge Amado e Milton Santos, de Adriano Bittencourt Andrade (2004)

Dois baianos e duas obras importantes para a literatura brasileira norteiam a tese escrita por Adriano Bittencourt Andrade, que traz uma análise histórico-geográfica da Salvador entre os anos 1950 e 1960.

O autor usa como base os livros publicados no mesmo ano: “A Morte e a Morte de Quincas Berro D’água” (1959), de Jorge Amado, e “O Centro da Cidade de Salvador” (1959), de Milton Santos. Na obra, ele explica que, apesar de serem obras de ficção, os livros trazem, no seu bojo, informações e “leituras” do cotidiano de uma cidade que raramente são abordadas nos livros científicos.

Ou seja, além de mostrar nexos entre a produção dos dois baianos, o autor mostra que as obras possibilitam ao leitor compreender melhor a conjuntura da época, entendendo a estrutura social e econômica de Salvador antes das densas transformações das últimas décadas do século XX.

Link para ler.

8 ● Através da Bahia, de Von Spix e Von Martius (1938)

Em 1817, o zoólogo Johann Baptist Spix, 36 anos, e o botânico Carl Friedrich Phillip Martius, 23, chegaram ao Brasil de carona na comitiva da princesa Maria Leopoldina, futura imperatriz do Brasil, com a missão, dada pelo rei da Baviera, de coletar o máximo de amostras da fauna e flora do Brasil.

Após 14 mil quilômetros percorridos no território brasileiro em três anos de pesquisa, passando por Minas Gerais até a fronteira com Goiás e com a Bahia, os bávaros enfrentaram de tudo – seca, inundações e todo tipo de doença – e voltaram para a Europa com cerca de 9 mil espécies de plantas e animais, incluindo mamíferos, aves e anfíbios, muitos deles de Salvador.

Spix morreu pouco tempo depois da viagem, abatido por doenças que enfrentou na excursão. Martius, por outro lado, viveu até os 74 anos. Até o fim da vida, Martius se dedicou a organizar e publicar o que descobriu no Brasil.

No livro “Através da Bahia”, os pesquisadores mostram o que viram no estado, principalmente em Salvador, no período em que estiveram aqui. Descrevem alguns movimentos que foram importantes para independência nacional e relatam quando a cidade do Salvador, que deixou de ser o centro do Governo, entretanto, não perdeu sua importância de porto comercial de primeira ordem.

Link para ler.

9 ● História do Brasil, de Afrânio Peixoto (1944)

Criado no interior da Bahia, o médico, político, professor, romancista e historiador brasileiro Afrânio Peixoto (1876 – 1947) veio ainda novo para Salvador. Na capital baiana, formou-se em Medicina, em 1897, na Faculdade de Medicina da Bahia, fundada em 1808. A cidade, então, foi cenário de boa parte de seus livros.

Na obra “História do Brasil”, Afrânio traz um panorama histórico desde a civilização mediterrânea até a República no Brasil. O livro, então, conta em detalhes como foi o governo geral de Tomé de Sousa, que chegou à Baía de Todos os Santos e fundou a Cidade do Salvador em 28 de março de 1549.

Nota-se, ao longo do volume, diversas semelhanças e diferenças em comparação à Salvador atual, incluindo os nomes dos bairros, que antes eram povoados, mas que existem até hoje.

Link para ler.
Audiolivro neste link.

10 ● História do Brasil, de Frei Vicente do Salvador (1918)

O livro “História do Brasil”, escrito pelo Frei Vicente do Salvador (1564-c.1636-1639), tem informações históricas sobre Salvador, que foi a sede da primeira colônia portuguesa na América desde a chegada dos portugueses até a época do governo de Diogo Luís de Oliveira. Traça também um panorama do território, com sua flora e fauna, comentando sobre seu clima e geografia, além de mostrar características e impressões sobre os nativos, seu jeito de falar e costumes.

Os primeiros capítulos descrevem a chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral e narram a primeira organização da colonização. No volume, o Frei Vicente também mostra episódios de seus primeiros governadores, a formação da administração em Salvador, explicando o sistema dos governos-gerais e das capitanias hereditárias; as entradas para o sertão e as guerras contra o gentio; as fortalezas e táticas militares; a invasão holandesa; dentre outros eventos históricos. Escreve, ainda – de maneira por vezes poética e lírica –, especificidades da lavoura de Salvador na época.

Na obra, o Frei traz opiniões ousadas como, por exemplo, na conhecida afirmação de que os colonos deviam aventurar-se pelo interior do Brasil, pois “sendo grandes conquistadores de terras, não se aproveitam delas, mas contentam-se de as andar arranhando ao longo do mar como caranguejos”.

Link para ler.



Experiências em Salvador

Agenda

30
set
01
out
02
out
03
out
05
out
06
out
07
out
Ver mais em Agenda